quinta-feira, 28 de outubro de 2010

GRANDE ENTREVISTA AO GRUPO DILEMA!

Desde quando estão na música e qual foi o vosso percurso ? Como é que se conheceram ? Como vieram à trabalhar juntos ?
[Maze (Dealema)] Como Dealema existimos desde 1996, mas já tínhamos projectos anteriores a essa data, Fullashit (Fuse e Ex-peão) e os Factor x (Mundo e Dj Guze). Eu tinha começado a rimar há pouco tempo, mas já os conhecia, costumávamos fazer sessões de improviso e ensaios e gravações e a determinada altura decidimos formar uma banda os cinco.

Para continuar a ler a entrevista...
O que é que vos incentivou a fazer rap ?
Eu já ouvia Rap, fazia Graffiti, e interessava-me pelo movimento, a determinada altura senti um impulso para começar a escrever e cantar rimas, pois desde de miúdo sempre tive aptidão para as palavras e uma criatividade bastante activa, acho que foi um incentivo interior que foi despoletado pelo Rap que consumia na altura, desde manhã até à noite.


Quais são as mensagens das vossas letras e o objectivo delas ?
As mensagens nas nossas letras são diversas, demasiadas para compactar numa resposta. São principalmente mensagens de cariz positivo ou politico ou emocional, são mensagens fortes, contestatárias, ás vezes são só reflexões sobre a vida, retratos que nos rodeiam ou então simplesmente ficção descritiva.


Porque escolheram DEALEMA para o nome do vosso crew ? E vossos pseudónimos ?
Dealema era uma das possibilidades que tínhamos para a banda, foi a escolha que fizemos de entre várias hipóteses, é a forma como se resolve um dealema, com escolhas e simplesmente foi o nome que teve a unanimidade. Quanto ao meu nome artístico, vem do graff, foi o meu primeiro tag. O pessoal começou a conhecer-me e chamar-me por Maze, quando comecei a rimar o nome ficou também a ser o meu nome de Mc.


Donde vem o vosso amor do rap ?
O nosso amor pelo rap,vem da nossa adolescência, vem do Hip hop da rua, dos 4 elementos, do sentimento que partilhávamos nos velhos tempos ...


Foram influenciados por alguns rappers ?
Krs 1, Guru, Nas, Common, Mos Def, Talib Kweli, Black Thought, são muitos ...


Com quem queriam, gostariam trabalhar (musicalmente claro) ?
Gostaríamos de trabalhar com alguns músicos portugueses, principalmente de outros estilos que não o Rap, gostaríamos bastante de trabalhar com instrumentistas e vocalistas de outras áreas, já o temos feito e no futuro essas colaborações vão continuar a acontecer certamente.


Quais são vossos sentimentos ao respeito do hip hop tuga ?
Pessoalmente, e não estou a dar esta resposta pelos Dealema, mas simplesmente por mim.
Eu não gosto do termo Hip hop tuga. Mas como é um termo generalizado e já instituído, mas gostando ou não do nome dado, eu que faço parte dele, reconheço que tem coisas que gosto muito, outras que me desagradam profundamente principalmente a falta de união em todas as vertentes do movimento.

Como vêem a evolução e o futuro do rap tuga ?
Futuro do Rap Tuga, é hoje, o que acontece agora define o amanhã.
Existem cada vez mais projectos, uns com bastante qualidade e bom gosto que com certeza irão prevalecer, e outros projectos de fraca qualidade que por mais destaque que tenham estão condenados a serem as próximas vitimas da trituradora musical que devora bandas a um ritmo cada vez mais rápido.


Para vos, o que é preciso para desenvolver o rap tuga ?
Paz, Amor, União e Divertimento !

O quê que queriam fazer se não houvesse a música ?
Pessoalmente, não consigo conceber um universo sem música, é algo completamente impossível, como seres humanos precisamos umbilicalmente duma ligação à música, ela é um poderoso veículo de acesso aos nossos sentimentos. Mas se ela não existisse na minha vida certamente estaria dedicado a outras áreas de criação como as artes visuais.


Uma palavra para os soldados do hip hop ?
Acredita, trabalha, transforma os teus sonhos em matéria !
Obrigado pelo teu apoio ao colectivo. Forte abraço.

Info by: Gang Do Moinho

"BOBAKANA" - LONG N XORT | VENDAS E SESSÃO DE AUTÓGRAFOS, DIA 7 DE NOVEMBRO NA PRAÇA DA INDEPENDÊNCIA....

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

KID MC "O INKORRIGÍVEL" | 18 DE DEZEMBRO DE 2010 VENDA E SESSÃO DE AUTÓGRAFOS, NA PRAÇA DA INDEPENDÊNCIA...

MENSAGEM DE VALETE SOBRE O HOMO LÍBERO!

http://4.bp.blogspot.com/_4Tzk401tZdw/TLzp9rTLKpI/AAAAAAAAEqI/GO9VfBb0baU/s1600/va.jpg
"O álbum Homo Libero terá lançamento simultâneo em Portugal, Angola, Brasil e Moçambique. Por isso para além de estar a cuidar da produção executiva do álbum, também tenho que estar a negociar várias coisas com as 4 editoras (uma em cada país) que irão fazer o lançamento do álbum. Tem sido algo difícil para mim, mas necessário porque os meus 2 primeiros álbuns (até porque estava num estágio diferente do meu percurso) tiveram muitos problemas de promoção e distribuição. É algo que não posso deixar acontecer neste novo álbum.


O álbum já está a chegar a uma fase terminal do seu processo de produção, mas só será lançado quando eu tiver toda essa parte burocrática tratada com as diferentes 4 editoras. Quero mesmo que toda a gente tenha facilidade em encontrar o álbum assim como toda a informação em relação a ele. Por isso certamente que ainda faltarão alguns meses para o álbum sair e nesta altura não posso adiantar nenhuma data de lançamento. Tudo o que for acontecendo de relevante será comunicado no meu Facebook oficial, assim como também divulgarei músicas minhas ou participações que eu fizer até ao álbum sair".

PIRILINE ANUNCIA XTREMO SIGNO!!!!!


Depois de muita especulação sobre uma eventual assinatura de Xtremo Signo pela Milimambos, eis que a PIRILINE anunciou hoje, no seu blog oficial, que o Mano das "tantas participações que até dava um álbum à solo" assinou pela editora! A informação foi vinculada hoje e segundo a mesma, Antes do álbum a solo de Extremo Signo, teremos duas Mixtapes do mesmo, via piriline.

Extremo Signo é sem dúvida um dos melhores Mc´s de Angola, contando por isso, com uma popularidade considerável e com várias participações nas melhores obras discográficas de Rap Angolano.

Recordo-lhe que Extremo Signo é integrante do grupo Kill Point e membro da Squarmoff  Gang do Rangel, onde também pertence o rapper Ready Neutro.

Info: www.piriline.blogspot.com

MASTA K APRESENTA "SHOW DE HIP HOP" | 31 DE OUTUBRO, NO ELINGA TEATRO!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

CHABBA ENTREVISTA O ACTIVISTA GANGSTA...




Gangsta é um jovem Angolano (Rapper, Escritor, Activista e promotor de espectáculos), com voz autorizada no que ao HIP HOP diz respeito. Dono de um conhecimento fora de série, esse jovem prende a atenção de qualquer um que goste de HIP HOP e não só. Este Blog actualizado como é, aproveitou marcar uma entrevista com este jovem …

Blog: Quem é o Gangsta?
Gangsta: Eu sou Nelson Adelino Dembo a.k.a Gangsta a.k.a Bandido Nº 1 da zona norte. Natural de Luanda, descendente de Bakongo e Umbundo. Deixa dizer-vos que eu sou descendente dos Dembos. Dembos é a última dinastia dos reinos de angola a cair sobre o regime português, isso em1922. Epá, então este espírito guerreiro tem a ver com a própria linha genética dos Dembos...

Blog: Como entrou para o mundo do HIP- HOP?
Gangsta: Ai entre 1990, 91 por influencia de um Kamba meu, que me havia dado um disco do MC HUMMER, e um dos GANGSTARR. E então a partir daquele momento adoptei o nome Gangsta. Quando ouvi que já havia um Gangsta em Angola, que era o Gangsta Dú, então passou a ser uma base de inspiração.

Blog: Porque Gangsta? Pois sabemos que este palavra traduzida para português quer dizer bandido. Consideras-te um bandido? 
Gangsta: Não… Era aquela, Gangsta. Yá o nome esta fixê vou ficar com esse nome. Mais na medida em que os anos foram passando de alguma forma a malta foi ganhando consciência sobre aquilo que a malta fazia. Naturalmente o nome Gangsta tornou-se uma readaptação a própria realidade daquilo eu que vivi nas ruas de Luanda, e que de uma forma consegui tudo por mérito próprio. Havia um factor, é que o Gangsta Rap era uma das vertentes do rap que se havia identificado comigo. Falava muito sobre a delinquência, uso de drogas, prostituição etc. Yá, aquela realidade suburbana fez-me apaixonar pelo estilo.

Blog: Qual a definição de HIP-HOP para si?
Gangsta: Epá, meu essa cena para mim, é uma cena muito ampla meu. O HIP-HOP para mim é uma filosofia de vida, é isso que eu tenho defendido em todos os sítio que vou, tanto nas entrevistas, nas letras que faço, nos workshop, palestras, e até mesmo no livro que estou a escrever.
HIP-HOP é High Infinnit Power Helps Opresion People. Traduzido para português Alto Poder Infinito para Ajuda dos Povos Oprimidos. Se é isso, então o Hip Hop é uma filosofia de vida. Graças ao HipHop muitos de nós conseguimos resgatar a Angolanidade, a auto-motivação, e conseguimos nos identificar como Africanos sem preconceitos, Epá, abriu-nos a mente. Eu costumo a dizer que os pais deram-nos à educação, a escola ensinou-nos a ler e a escrever, e o HipHop ensinou-nos a ter o conhecimento sobre a vida... 

Blog: Acha que o HIP HOP em Angola é bem representado, nas suas mais variadas vertente?
Gangsta: Meu irmão, a malta não pode somente olhar para o Hip Hop e perguntar se o HipHop está a ser bem representado. Achas que a democracia em Angola está a ser bem representada? O futebol esta ser bem representado? Realizamos um CAN em tempos, O que é que fizemos? Ganhar dois jogos e perde 38 no universo de 40 jogos... Não há lógica. O que é que, eu quero dizer com isso. Esse Hip Hop que temos hoje é em função a mentalidade Angolana. A nossa própria mentalidade faz a cultura que temos hoje... Outra grande dificuldade é os meios técnicos. Segundo minhas investigações, sei que antes da independência de Angola o país tinha fábricas de discos, mas depois da independência as fábricas desapareceram. Hoje se tu tens o um Dj no Brasil é porque existe a cultura do Dj lá, é porque existe os meios técnicos. O Brasil fabrica vinil, fabrica mesas tem uma tecnologia de ponta lá dentro em função a realidade deles, e ele adaptam-se. Por isso não vamos criticar somente o Hp Hop... Por isso é que eu perguntei a democracia esta a ser bem representada em Angola?

Blog: Mas Gangsta, o que queremos saber é se o HIP-Hop está a ser representado na sua plenitude, se não achas que ele esta mutilado. Por exemplo para ser um B boy não é necessário importarmos muito, para ser um Graffriter idem. Com um pouco de tinta conseguimos transmitir aquilo que nos vêm à alma...
Gangsta: Mas o Hip Hop está nas ruas se está mutilado ou não, ele está lá. Está a ser bem representado de alguma forma...
Sabes quanto custa uma lata de Spray? São tipo 700kz ou 100kz, entre comprar uma lata e comprar um pão, tu ficas balançado. Ou fazes pela arte ou enches o estômago. Mais quando tu tens amor pela arte, tens de estar preparado para sentir fome... Quero com isso dizer, estar preparado para as dificuldades, se tu amas a arte, fazes por ela, e um dia serás reconhecido. Mas numa sociedade como a nossa não é fácil mano.

Blog: Então o HIP HOP em Angola é representado a nossa maneira?
Gangsta: Sim... O Hip Hop é representada na realidade de cada povo, independentemente de seguir os padrões mundiais... O Brasil, por exemplo, fez a inclusão da capoeira... A realidade de Angola será o espelho da representatividade daquilo que a gente vai vender para o mundo. Porque se tu olhares tipo para McK e 10 Pacotes, reflectem aquilo que é a sócio vivencia do povo angolano, expressada de maneira politizada. Se falares sobre Konsciencia´ctiva sabes diante mão que eles falam sobre os delinquentes que tramancam nos guettos da Nocal, então reflecte a sócio vivencia a nossa realidade, factores que são fundamentais. Eu olho nisso numa perspectiva mais conjuntural e chego à conclusão que a sociedade Angola esta doente, mano. Por isso é que eu insisto, a democracia em Angola está boa? Os políticos estão bem? Os políticos exercem a política, as pessoas que estudam as ciências de facto exercem-na?
Veja a situação do kota João Pinto, por exemplo, é um jurista e eu reconheço e respeito, é licenciado em direito ok... Mas hoje vê que o discurso do João Pinto é contraditor a aquilo que ele defendia no princípio. Por que? Porque ele se readaptou ao estômago dele, e a o carro e a casa. Entendes? O Miguel Lutonda foi à selecção de Angola e ganhou cinco campeonatos de África. Depois de negar outra convocatória porque exigia uma casa, o país dizia «Esse lutonda também está maluca, ele ta pensar que também é quem?» …Então é esse problema de mentalidade, não é só um problema do HIP HOP… Um menino de 16 anos não sabe ler nem escrever mais bebe 24 cervejas, como é possível? Então a malta deve analisar estes reflexos sociais. Mesmo as cooperações bilaterais que o país vai criando com outros países na perspectiva da reconstrução nacional, e os financiamentos que vai recebendo, são acompanhadas de mão-de-obra prima para aqui…Então o jovem que hoje é delinquente, não tem mão-de-obra activa? Até para pintar uma lata tem que se ir buscar um chinês, como é que este jovem não fica criminoso... Então a sociedade esta doente não é só o HIP HOP que esta mutilado.

Blog: Também achas que os S.S.P. é que trouxeram o rap em Angola?
Gangsta: Não…Não concordo, quando os S.S.P. lançaram o primeiro disco,New Boy das ABURDA já existia, KOOL KLEVER já existia, o pessoal dos D.Q. POST já existia, KONSCIÊNCIA´CTIVA idem e eu pessoalmente já existia. Agora devemos se calhar ser sinceros ao reconhecer que os SSP abriram a porta da discografia deste estilo de música. Nós fazíamos, mas quando SSP meteu o primeiro disco de Rap Angolano no mercado em 1996, a média passou a ter uma ideia diferente daquele movimento que estava a nascer nos princípio dos anos 90… Se calhar quando eles dizem que trouxeram, é nesta perspectiva de discografia. Agora dizer que foram eles que trouxeram o estilo em Angola. Claro que não, os outros já existiam a muito tempo, até porque lido normalmente com eles e sei que defenderiam a mesma posição. 

Blog: Quais os maiores precursores da música rap em Angola?
Gangsta: Epá… São vários Mano esta nossa historia é muito vasta. Há aqueles que se notabilizaram no princípio, porque tinham as facilidades que tinham, estando na média. Como Kool Klever, NewBoy, Father mak os SSP etc. Mais existia outros que estavam no anonimato, não apareciam em rádio mais estavam directamente ligados a este fenómeno. Grupos como SOLDADOS DE RUA, ATITUDE VIOLENTA, DUPLO V, ACIMA DO INFERNO, NINA HARLEM, o AMADEU que naquela altura era activista do Hip-Hop passava-nos muita ideologia, e já falava inglês na altura e nos transmitia as cenas vindas da América, os POBRES SEM CULPA ,naquela altura os pobres sem culpa eram considerados ícones do rap em Angola,quando subissem ao palco se fossem os últimos a subirem tu eras obrigado a ficar ate o show terminar porque não tinha como. Era puro underground, bom rap. Lá estavam dois grandes pilares do rap angolano, Mestre Nahiwanguimono e Ngadiama wa kambo sohy….

Blog: Achas que o Verdadeiro rap é o underground em detrimento do Mainstream?
Gangsta: Olha, o mainstream é um nível, que tanto o comercial ou underground atinge… Mainstream é quando tu ultrapassas as expectativas das pessoas. Tipo o KID MC, passou as barreiras daquilo que é o mundo underground meu! Então ele é mainstream...

Blog: Mais o Kid Mc ainda continua com os seus ideais, mais outros perdem quando atingem o mesmo nível?
Gangsta: Em tempos li uma frase de um escritor Inglês John Manson, que dizia o seguinte: «Os homens nascem originais, mais a maioria morre como cópia». Então isto é uma questão de princípios morais. Se quiser mudar de mentalidade isto é consigo, você é livre, mas cuidado com aquilo que você defende desde o princípio, porque a palavra tem poder. Por intermédio da palavra segundo a bíblia, Deus criou o mundo. Que haja luz assim aconteceu, haja terra e aconteceu então é só para ver que a palavra tem um grande poder. Os homens que resistem são aqueles que têm censo. 

Blog: Há Rapper´s que começaram muito duros, mas agora estão mais flexíveis. Até têm uma legião de fã e vão decepcionando os fãs dia após dia. O que lhe apraz dizer?
Gangsta: Epá… é aquilo que eu disse cuidado com aquilo que se defende para que amanhã não sejas julgado pelas suas próprias palavras. Mas as pessoas são livres de fazerem as mudanças, mas cuidado como se fazem as mudanças.

Blog: Achas que o Rap em Angola esta a morrer como se diz por ai?
Gangsta: Claro que Não….Isto é propaganda da média, principalmente daqueles que querem audiência nos seus programas, tentam beefar o rap. Vou dizer-te uma verdade mano, desde os anos 90 pra cá a única geração de angola que conseguiu se auto afirmar foi o Hip Hop...Mesmo o kuduro que ganhou esta projecção de musicalidade e de estrutura de composição, foi através do rap. O Dog Murras foi um rap, o Bruno M, o Puto prata... Tu vês as roupas que eles usam hoje é roupa de rapperes. Acho que os que dizem isso são sabotadores, o movimento nasceu sozinho, nasceu através da nossa força, principalmente com a força daqueles que hoje já não fazem parte do mundo dos vivos como, Mestre Nahiwanguimono, Príncipe Hermam, o Nigga Mumu,o Dottor Flow, o Brother Pitra, o Mano Meu, os Soldados de rua que era um grupo de pânico mano, e estes para mim são soldados desta trajectória, caíram mais estão sempre na memória; Eles deixaram uma planta que hoje em dia vai florescendo. No ponto de vista de comunidades culturas em Angola, o Hip Hop é a única que vai dando palestras nas universidades, não sei se o Semba o faz, o Hip Hop está a escrever um livro não sei se o Semba está...Somos a única comunidade que faz confrontações com o governo, nas letras do MC K e 10 PACOTES, o próprio FATHER MAK que em 1994 foi detido em palco por causa do carácter contestatário da própria música...Ouve o programa do JÓJÓ quais as musicas que tocam... É o Semba? Estes kotas também estão ai por causa dum carrito, têm que bajular.


Blog: Mas Gangsta se calhar os comentários baseiam-se no facto de muitos Rappers estarem a fazer Kuduro, e os próprios Kuduristas têm estado a reclamar?
Gangsta: Epá mano, o Rap não depende do Mc fulano ou beltrano isso é um movimento. Um movimento é feito de pessoas, de milhares de pessoas. Se um Individuo cai outros continuam. Você acha que se alguém estiver a misturar o rap com Kuduro desfaz o movimento? Isto não tem nada a ver connosco, mas ele deve definir bem o que esta a fazer... 

Blog: É contra a mistura do rap com Kuduro?
Gangsta: Epa mano, eu não sou contra estas misturas, eles que façam. Mas quando me vêem dizer que é rapduro, não concordo. Rap é Rap, Kuduro é outra coisa... Rapduro?!!! Façam a definição de Rapduro...Rap não vai morrer porque J.D. esta cantar isso ou porque o GOMEZ pulou pra outro estilo, não... Não é por alí. 

Blog: O Big Nelo agora esta fazer Kuduro...
Gangsta: Mano, Isto para mim não é novidade. Para mim BIG NELO sempre cantou Kuduro, o Primeiro Kuduro do Tony Amado quem cantou foi o BIG. O Big pelo menos está a ser sincero, enquanto os outros tentam camuflar, estão atrás da fama... Aquilo é fama para mim, e uma fama da merda. Porque não têm nada também...

Blog: O Eddy Tussa agora esta a cantar semba?
Gangsta: O Eddy Tussa está louco mano, vamos ser sinceros. Disse que estava a fazer rap, agora descobriu que o estilo que lhe identifica é o semba... Yá, está bom vai então ao semba, mas não volta mais. Porque o grande problema em Angola é a mentalidade, as pessoas devem ser inteligentes naquilo que fazem...

Blog: Achas que tem havido uma divergência de ideias quanto à defesa da mistura do rap com Kuduro no seio dos underground?..Digo isso porque o Matafracos (ikonoclasta) incluiu um kuduro no seu álbum, onde contou com a participação do Rei Panda. Já o Kid Mc que é da mesma escola, reprova veementemente...
Gangsta: O Ikonoclasta é melhor que ele também faça bem essa definição, se é Rapduro ou é Rap...
Blog: O que ele Cantou, foi Kuduro...
Gangsta
: Então isto é com ele...Mas tem que ter cuidado com o que ele defendeu no passado. Já naquela perspectiva que nós defendíamos o poder da palavra e de ideologia, ele já era uma pessoa esclarecida. Hoje não vamos querer ludibriar as pessoas, vamos lá ser sinceros wí...Vamos ser sinceros manos, seja lá quem for, nem que for Common Sense ou o Ikonoclasta, se está errado está errado, vamos falar wí...A malta têm que ser sincero ter esta capacidade de suportar o que vem como consequência. 

Blog: Como definias o nosso mercado musical? Por exemplo, os Kalibrados tiraram um disco e foi um estrondo, tiraram outro e não foi por ai além...
Gangsta: A questão dos kalibrados pra mim, acho que foi uma questão muito virada ao próprio movimento Hip Hop. Eu converso muito com VuiVui e tenho ouvido também alguns comentários dele. Para mim a grande queda que eles tiveram foi o Beef Army Squad VS Kalibrados, o que as pessoas alegam é que os Kalibrados haviam de certa forma perdido a Humildade, e esta situação criou um mal estar dentro do movimento. Os Niggas diziam«estes gajos vieram connosco do underground atingiram o maistream hoje já não nos ligam? Estes gajos estão armados » de alguma forma isto criou um mal estar dentro do movimento, e quando tiram Quem manda no teu Block ?que era uma música normal, só que o movimento entendeu de uma outra forma, e diziam «vocês mandam no meu block?».Quando surgiu o show Army Squad VS Kalibrados, na minha visão pessoal, a maior parte do pessoal que estava na plateia era Rapper , e foram para ofuscar os Kalibrados .Eu vi quando os Kalibrados entraram a cantar Quem manda no teu block, o people só respondia Army Squad invés de Kalibrados...

Blog: Achas que os rappers estavam contra os Kalibrados muito pelo facto de terem lançado esta música?
Gangsta:
Yá...Porque mano, Cada acção tem uma reação. A má atitude dos kalibrados gerou um mal estar dentro do movimento. Deixa-me te dizer algo no Rap por mais que tu faças bastante sucesso, mas se não tiveres o apoio do movimento você não é nada. Nem que toda a média te cubra, porque o movimento é que te suporta. O Gabriel o Pensador pode ter toda a média, mas já mais será comparado aos Racionais Mc`s, o Tafinha pode ter a média toda mais já mais será comparado ao Kid Mc o ao Mc K porque estes têm apoio do movimento estes falam em nome do movimento...

Blog: Como viste o beef Dji Tafinha VS Kid Mc?
Gangsta: Eu acho que é uma coisa pessoal, é entre os dois, e ambas as músicas têm as suas respostas, têm os seus porquês que os levou a digladiarem...

Blog: Como puro underground que é, não teme que o Kid Mc vem a ser como o Dji tafinha, Já que o Dji tafinha também defendia a mesma ideologia que o Kid Mc defende Hoje?
Gangsta: Epá...Se o Kid vier a ser, tem o disco dele para lhe condenar, porque as letras dele já definem isso, ele é contra. Se ele mudar o próprio disco vai lhe condenar e não sou eu, e a ideologia que ele defende hoje. A ideologia vai ser a base fundamental para lhe perseguir. Agora eu sou simplesmente consequência das palavras dele, vou reagir evidentemente...

Blog: Não achas que o Rap Underground é uma Utopia?
Gangsta: Utopia como?... Se estamos aqui, estamos a sobreviver... Hoje temos 33 anos de idade, morremos porque não se vedemos? O Toy Ozonio está aí, está o Prince Araca... Como é mano?!!!, Não estou a entender...

Blog: Common Sense esta a fazer Pop?
Gangsta: Mano, aquele é uma pessoa. Isto é um movimento... Common sense não sou eu, não é o Mc K nem é o Gangsta Pick...É ele, e pode ser americano esta errado wí, não é o facto de ser americano. Estamos se cagando por estes gajos, se são ou não underground. Tu vês que o R.A.P é Rhythm And Poetry, mas aqueles kotas mais radicais do movimento Hip Hop eles defendem-no como Reality African Peolple.Então o common é que mudou o movimento na América?... Os Dead Prez estão lá.

Blog: Mas a maior parte dos Rapper´s underground vão se vendendo aos poucos, Mv Bill disse que novela faz mal a saúde no seu mais recente álbum, mas pelo que li vai participar na Malhação?
Gangsta: O Mano Brown também...

Blog: Mas é contraditório?
Gangsta: Evidentemente que é contraditório, eu sou muito admirador dos dois, e é uma situação que eu preciso digerir bem para que eu possa entender. Mas não vou parar por questão de fanatismo, vou analisar as coisas na perspectiva de lógica e da razão.

Blog: Por isso insisto, não acha que o rap Underground é uma utopia?Quando estão em baixo tudo bem, depois de atingir a ribalta esquecem-se das ideologias...
Gangsta: Não... Não é utopia se o Mano Brown se vender é ele, e não o movimento... Fracçao central estão lá, há sempre alguém aqui em baixo. Enquanto houver opressão terá sempre revolucionários... 

Blog: Sabemos que agora tem estado mais virado para o activismo. Pretende continuar nesta senda? 
Gangsta: Acho que esta foi a base do HipHop que eu mais cultivei nestes 18 anos de HipHop , e pretendo continuar com certeza. Não existe Hip Hop no mundo sem o activismo. As pessoas confundem, pensam que o fulanos que têm fama e cantam no Tchilar, valem mais que um activista, não. O activista é que discute os conceitos do movimento dentro da própria sociedade. Quem vai discutir cara à cara com os intelectuais? Deixa-me dizer-te que sou o primeiro Rapper em Angola, a entrar no parlamento para discutir sobre o Hip Hop. Isto ainda no dia 25 de agosto de 2003.

Blog: Sabemos também que esta a preparar um livro, Para quando e como se chamará?
Gangsta: Vai se chamar Bumerangue, não tem ainda data precisa, por causa de algumas situações da vida que estou a passar. Mas eu acredito que o próximo ano estará nas bancas, porque o próximo ano o Hip Hop angolano fará 20 anos. Então sairá o livro dos conceitos, e a história do próprio movimento em Angola.
Outra coisa que eu gostaria de chamar atenção, é que este livro vai fazer renascer, aqueles que às vezes são esquecidos pelos manos que fazem sucesso actualmente, não os mencionando nos discos e nas entrevistas. Falo de manos que ajudaram este movimento a nascer como Mestre Nahiwanguimono, Príncipe Hermam, o Nigga Mumu,o N.G Rap, o Brother Pitra, estes manos não podem ser esquecidos, foram os soldados da primeira linha. Hoje se existe Rap em Angola deve-se muito por esses manos. Caíram, mas a malta deve mencionar sempre, infelizmente o angolano é um povo que não conserva memórias, o angolano só quer viver o hoje. Mas esquece que o hoje é resultado do ontem.
Então de uma forma este livro será um tributo póstumo para eles...Se no mínimo a malta consegui-se ressuscitar as obras deles era muito bom, vendíamos e dávamos para os familiares. Só para mostrar que os esforços deles não foi invão, hoje o rap está a dar dinheiro, tem gajos com cachê de 10.000 usd...Com esse cachê não consegue se quer fazer uma acção social mano é impossível meu!!! O Hip Hop não é só cantar meter BlimBlim no peito e ir pra rua...

Blog: Louvas a atitude do Big Nelo e do Laton, que ultimamente têm se associado a estas actividades?
Gangsta: O Big e o Laton têm feito, Ok...Mas isto só não basta. O movimento não fica só pelo Big e o laton...Os outros também fazem sucesso, a Army Squad não faz? Não ganham dinheiro?...Ganha...Então a malta têm que parar, e deixar de se olhar nas perspectivas das diferenças. As diferenças devem existir, porque convivência na diferença é que faz a sociedade. Enquanto a malta se olhar «Não...Esse é underground ,não posso me juntar a eles » Será difícil . Se fez ou não, somos nós. O mais importante é aquilo que devemos fazer, em nome do movimento Hip Hop...


Fonte: www.chabba007.blogspot.com

MIXTAPE "O TEMPO" JONES | FREE DOWNLOAD



segunda-feira, 25 de outubro de 2010

"NÃO HÁ NADA COMO O HIP HOP" VIRUZ | SINGLE PROMO




Viruz - "Desculpa" (prod. San Caleia)
Viruz - "Não Há Nada como Hip Hop" ft. Hostil e Manda JC (prod. San Caleia)
Viruz - "Dem-me Xpaço" (prod. Xtygma)

Download Link: 
http://www.mediafire.com/?15mulibgsldwrzw

sábado, 23 de outubro de 2010

ESPECIAL | KID MC [BIOGRAFIA E DISCOGRAFIA]

KID MC é o nome artístico do rapper Kid Sebastião Manuel, nascido em 1986 na Província da Huila - Angola.


Em 1992, devido ao conflito armado que assolou o País, Kid muda-se para Luanda onde descobre o interesse pelas artes e música; tendo feito uma formação em Artes Plásticas numa instituição local.


Em 1988, interessa-se pelo Rap por influência de um dos seus irmãos que coleccionava músicas de Mcs Americanos.


Em 2002, já apaixonado pelo Hip Hop e com algumas letras feitas, Kid e seus amigos formam o grupo Aliança do Subsolo.


Em 2006, Kid e seu amigo Vulkaum, ambos ex-integrantes da Aliança do Subsolo, lançam a sua primeira obra intitulada "2 por 1 e 1 por 2".




1 POR 2 E 2 POR 1 [VULKAUM E KID]



01. Intro
02. Vulkaum & Kid
03. Luta Por Ti
04. 2 Tempos (Com Nha Lizandra)
05. Mundo
06. Minha Vida
07. 3L (Com Maléfuck)
08. Luanda
09. Dor Negra
10. Hip Hop (Com Mr K)
11. Musica
12. Geracao Do Holocausto
13. Frente Sul (Com Terrível & Expiráculo)
14. De Frente Para o Mar (Com Nha Lizandra)
15. 2 Por1 1 Por 2 (Com Raiva)
16. Freestyle

Link para download: Mediafire


Um ano mais tarde Kid opta por seguir uma carreira a solo e começa a nova etapa daquele que seria considerado um dos melhores Mcs de Angola.


Em 2008 após ter assinado pela editora independente Mad Tapes, Kid MC lança a sua primeira obra discográfica a solo intitulada "Caminhos". Um projecto que conta com as participações de produtores como Condutor,Level Khronico, Mad Contrário, Flagelo Urbano, DH, Raiva, Boni, Wagisa e com as vozes de BZB, Marília, Dilman, Gri MC e Andrónico MC.


É de realçar que este álbum liderou por muito tempo as paradas da música rap angolana.


CAMINHOS [KID MC]




Em 2009, Kid lança a sua Mixtape "Breves considerações" e conquista o carinho dos amantes do Hip Hop Angolano.  O projecto toma a conta das paradas da música rap Angolana e Kid redobra a sua popularidade.


BREVES CONSIDERAÇÕES [KID MC]




No mesmo ano,entre Setembro e Outubro, Dji Tafinha dirige umas duas tracks para Kid MC intituladas "Relatório 1" e "Relatório 2". Uma semana mais tarde, Kid responde as duas tracks com apenas uma faixa intitulada "Velório" e vence o duelo.


Baixe a Track aqui: Velorio_Kid MC.wma


Em Dezembro do mesmo ano, a Mad Tapes organiza o primeiro Grande Show de apresentação de Kid Mc e 7 000 pessoas enchem o cine Karl Marx para assistirem o evento que contou com as participações de Sam The Kid (Portugal), Azagaia (Moçambique), Dj Bombarjack (Portugal), MC K, EVA, Phay Grande, Snake (Portugal), IKONOKLASTA, CONDUTOR e Outros.


Actualmente Kid MC encontra-se a trabalhar no seu 2º Álbum intitulado "O Incorrigível", cujo lançamento acontecerá em Dezembro.


O INCORRIGÍVEL [KID MC] | PROMO TRACKS


Podem baixar também os 2 sons promocionais do próximo álbum de KId MC:
. Kid Mc - "Farei o Que Puder".mp3 (5.62MB)
Beat: Levell Khrónico
. Kid Mc - "Fecha a Boca".mp3 (6.57MB)
Beat: D.H.


VIDEOCLIPES (OFICIAL):











N.B: Esta matéria é da inteira autoria de Ivan Abramovich. Inclui links dos blogs Mad Tapes e Luso Hip Hop, pelo que ao fazer um repost deve mencionar o nome do autor.